15 de set de 2010



Frente a frente, estamos eu e John sentados em um café qualquer de Londres. De boina, cobrindo parte dos cabelos que chegam até os ombros, ele quase lembra a imagem eternizada de Che, não fossem os óculos de aros redondos, que se converteram em ícone para seu próprio rosto. Sem fazer pausas, ele reitera sua entrega total à música e de como a arte é uma necessidade vital. "I'm AN artist", ele diz, frisando o "an" como uma forma de reforçar que a arte se confunde com seu ser. Após uma intervenção minha, John menciona a viagem que fez com a filha a São Paulo. Lamenta a poluição e as enchentes do rio Tietê.

***
A essa hora (mais de 22h), esse é o pouco que eu consigo lembrar do sonho que tive com John na última noite. Semana que vem vocês vão entender melhor porque, exatamente, decidi compartilhar este "encontro" nonsense.

0 comentários:

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.